Carismáticos da Diocese de Jundiaí participam de IX Congresso, em Várzea Paulista (SP)

Nos dias 9 e 10 de abril, os carismáticos da Diocese de Jundiaí participaram do IX Congresso Diocesano da Renovação Carismática. O evento realizado no Centro de Evangelização Arca da Aliança – Mãe da Divina Providência, em Várzea Paulista (SP), recebeu participantes das onze cidades que compõem a Diocese de Jundiaí. Estiveram presentes no encontro, a presidente do Conselho Estadual da RCC São Paulo, Lucimar Maziero, o coordenador Estadual do Ministério de Pregação, Washington Cordeiro de Deus, além da coordenadora diocesana da RCC da Diocese de Jundiaí, Tatiane Coraine, o diretor espiritual diocesano do movimento, Pe. Milton Vicente e os padres Anderson Ricardo Silva e Carlos José Virillo.

Abertura

Pe. Milton acolheu os presentes e presidiu a Missa de abertura juntamente com os padres Anderson e Carlos. Em sua homilia, o padre destacou a importância da unidade entre os grupos de oração e o movimento. Ao refletir sobre a primeira leitura do dia no livro dos Atos dos Apóstolos (At 6: 1-7) falou a respeito da vivência em comunidade e o amor entre irmãos ao servir o outro naquilo que Jesus nos chama.

Pregações

Presidente do Conselho Estadual da RCC
Presidente do Conselho Estadual da RCC

No sábado (9/04), Lucimar pregou sobre três temas: “Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo”, sobre a moção recebida pelos membros do Conselho Nacional da RCC e “Sede Santos em todas as vossas ações”. Na primeira pregação, a presidente partilhou sobre a passagem do livro do Gênesis (22: 1-12) que fala do sacrifício de Isaac, filho único de Abraão. De acordo com ela, “Deus nos pede para entregarmos neste Congresso o que temos de mais valioso e importante em nossas vidas, o nosso Isaac”.

Em sua segunda colocação do dia, Lucimar reforçou o pedido do Conselho Nacional ao lembrar a moção do Senhor que pede para “tocar o povo”. Segundo ela, é necessário tocar as ovelhas, pastoreá-las de perto, conhecendo suas realidades. “As nossas mãos são instrumentos de amor e elas nos foram dadas para construirmos o Reino de Deus”, frisou ao lembrar que “existe uma promessa de crescimento para os grupos de oração, porém, precisamos obedecer à Deus, ser prudentes e vigilantes nas orações”.

Em sua última pregação, ao falar de santidade, a presidente pontuou que o batismo no Espírito Santo precisa provocar uma mudança em meu ser dando abertura às virtudes. “Santidade não é discurso de coordenador para servos. Santidade não é só dar uma formação sobre o conceito. Ela exige de cada um uma mudança, o nosso esforço e a nossa radicalidade. Testemunhar a santidade não é ficar dentro da igreja com cara de santo. Santidade é Verdade. Precisamos refletir santidade para o mundo”. Por isso é preciso pedir o Espírito Santo diariamente, continuou ela, para podermos buscar uma vida de santidade. A pregação foi encerrada com um grande clamor ao Espírito Santo.

Washington, coordenador estadual do Ministério de Pregação
Washington, coordenador estadual do Ministério de Pregação

Os temas “Espírito Santo, sopro da vida (Gn 2: 4)” e “Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso (Lc 6: 36)” foram ministrados por Washington no domingo.  Na primeira pregação do dia, o pregador enfatizou que “o poder do Espírito Santo de Deus transforma nossa vida e coração porque é o mesmo que pousou sobre Jesus, Paulo, Nossa Senhora, entre outros. O mesmo Espírito que quando clamamos, vem e faz a obra em nós”.

À tarde, ao tratar do tema central do Congresso e da RCC para este ano, Washington recorreu à Suma Teológica escrita por Santo Agostinho ao citar que “a misericórdia é a miséria que nosso coração experimenta pela miséria alheia”. Conforme ele, a “misericórdia é diferente de justiça, pois vai muito além desta e, quando Deus faz algo por nós vai muito além do que merecemos. Ele não nos socorre por nossos méritos, mas por Sua misericórdia infinita”. Oportunamente, a pregação foi encerrada às 15h – hora da misericórdia – com um clamor à misericórdia divina.

Ainda na manhã do segundo dia do Congresso, a Santa Missa foi presidida pelo Pe. Anderson, Pároco da Paróquia Cristo Redentor e anfitrião do evento e, concelebrada pelo Pe. Milton Rogério. No Evangelho do dia, disse o sacerdote que, “Jesus identifica as fraquezas humanas, aquilo que nos faz querer desistir e abandonar Deus. Ver as redes vazias após tantas dificuldades, muitas vezes por sugestão do inimigo, nos faz querer voltar à vida velha. Sinal de que Jesus ainda não é o centro de nossas vidas”, apontou. “Se você está cansado de sua paróquia, da sua vida, seu grupo de oração e quer voltar à vida velha, Jesus vai ao seu encontro e pede para lançar as redes novamente para que veja o milagre acontecer em sua vida”, convidou.

De passagem pelo evento, o coordenador da Ação Evangelizadora na Diocese, Pe. Leandro Megeto levou o abraço e a acolhida do Bispo diocesano, Dom Vicente Costa, aos carismáticos.

Encerramento

CongressoDiocesanoRCCJundiaí2016_SatoFotografia (2)No encerramento, a coordenadora diocesana da RCC Jundiaí, Tatiana Coraine, incentivou os servos a serem firmes e corajosos. Ela recordou que uma das principais ferramentas do inimigo tem sido o desânimo e, por isso, “devemos resistir ao pecado até o sangue”. Ela os exortou a “não ficar paralisados nas dificuldades e justificativas, pois o senhor precisa de todos para fazer Sua graça chegar aos Grupos de Oração”. Em adoração ao Santíssimo Sacramento, os participantes encerraram o Congresso entregando a caminhada nas mãos de Deus.

Compõem a Diocese de Jundiaí as cidades de Cabreúva, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Itu, Itupeva, Jundiaí, Louveira, Pirapora do Bom Jesus, Salto, Santana de Parnaíba e Várzea Paulista.

Com informações do Ministério de Comunicação Social da RCC Diocese de Jundiaí.

Fotos: Sato Fotografia

Posts relacionados

Leave a Comment