Encristus Nacional 2017 tem inscrições abertas para católicos e evangélicos

Neste ano de 2017, o Encristus Nacional reunirá católicos e evangélicos de diversas regiões do país no Centro de Eventos Vale da Águia, em Sorocaba (SP) entre os dias 25 e 26 de novembro. Com o tema “Unidade, o clamor do coração de Deus!” a 9ª edição do Encristus tem como objetivo promover a reflexão sobre o que Deus sente a respeito da falta de unidade na Igreja. Para se inscrever, basta acessar o site: http://www.encristus.com.br

“Textos bíblicos como Zacarias 13:6 que diz “Se alguém lhe perguntar: ‘Que feridas são estas no seu corpo? ’, ele responderá: ‘Eu fui ferido na casa de meus amigos’ e Salmo 77:3 que diz: “Lembro-me de ti, ó Deus, e suspiro; começo a meditar, e o meu espírito desfalece”, em diante, revelam um pouco dessa questão e nos convidam à tentativa de confortar Seu coração””, destaca o site do encontro.

São presenças confirmadas no evento: Reinaldo Beserra dos Reis (membro permanente do Conselho Nacional da RCC Brasil), Rui Luis, Christopher Walker, Pedro Arruda, Pr. Silas Esteves, Pr. José Carlos Marion, Pr. Jamê Nobre, Pe. Douglas Pinheiro (Diocese de Osasco) e do Pe. Marcial Maçaneiro (membro do Comitê Teológico SCJ Internacional e assessor da CNBB para o diálogo ecumênico).

Encristus

No Encristus, católicos e evangélicos se reúnem para viver um momento profundo de oração, louvor, partilha da Palavra e, sobretudo, uma intensa comunhão de amor. De acordo com Huanderson Leite, articulador da Comissão para o diálogo ecumênico da RCC-SP, “nestes encontros não discutimos doutrina, nem abordamos nossas diferenças – embora saibamos que elas existem e precisem ser resolvidas –, optamos em estar juntos, estabelecer relacionamentos e, o principal: Decidimos nos amar primeiro. Nossas pregações não são proselitistas, não existe nenhum intuito de estabelecer conflitos religiosos, simplesmente porque maior que as nossas diferenças é aquilo que nos une: o próprio Cristo”.

Ele ressalta ainda que, a identidade de cada irmão é respeitada, tanto que no domingo pela manhã, nos separamos para que os católicos celebrem a missa e os evangélicos participem de seu culto e este momento é um momento de profunda comoção, pois percebemos que as nossas diferenças ainda não nos permitem participar da mesma mesa, “nestes encontros não discutimos doutrina, nem abordamos nossas diferenças – embora saibamos que elas existem e precisem ser resolvidas –, optamos em estar juntos, estabelecer relacionamentos e, o principal: Decidimos nos amar primeiro. Nossas pregações não são proselitistas, não existe nenhum intuito de estabelecer conflitos religiosos, simplesmente porque maior que as nossas diferenças é aquilo que nos une: o próprio Cristo”.

Ele ressalta ainda que, a identidade de cada irmão é respeitada, tanto que no domingo pela manhã, nos separamos para que os católicos celebrem a missa e os evangélicos participem de seu culto e este momento é um momento de profunda comoção, pois percebemos que as nossas diferenças ainda não nos permitem participar da mesma mesa.


Com informações do site Encristus.

Imagem ilustrativa: Divulgação/Internet.

Posts Relacionados

Deixe seu Comentário