RCC Arquidiocese de Ribeirão Preto realiza Congresso Arquidiocesano

No último final de semana, dias 09 e 10 de junho, aconteceu o Congresso Arquidiocesano da Renovação Carismática Católica de Ribeirão Preto. A Santa Missa abriu o encontro e foi presidida por Dom Moacir Silva, Arcebispo da Arquidiocese, que fez memória ao Imaculado Coração de Maria, “digna morada do Espírito Santo. Assim também precisa ser o nosso coração”.

Marcelo Marangon, secretário-geral do Conselho Estadual da RCC São Paulo

No sábado pela manhã, Marcelo Marangon, secretário-geral do Conselho Estadual da RCC São Paulo, explicou um pouco sobre a estrutura da Renovação Carismática e, ressaltou o papel importante do Grupo de Oração na ação do Espírito Santo. “É através dos Grupos de Oração, instituições executivas da RCC, que os planos e direcionamentos do Espírito Santo realmente acontecem”, destacou. Colocou ainda, que “o caminho trilhado pela RCC é um caminho de Via Sacra que nos leva às chagas do coração de Jesus”.

Marcelo falou também sobre o chamado à santidade. Segundo ele, “os nossos Grupos de Oração precisam estar de portas abertas, já que a vocação da RCC é salvar almas. Temos necessidade de que todos os Grupos de Oração possam ser um lugar de escuta àquilo que o Espírito Santo quer para a RCC. O que nos faz permanecer na Renovação não é um simples e puro encantamento, mas a perseverança no Senhor, com intimidade, começando sempre no coração, pois é lá que a chama do Senhor precisa arder”.

O secretário-geral também levantou preocupações que, como carismáticos, precisamos sempre levar no coração. Entre estas, o ativismo espiritual e os martírios: “nossa luta não é contra carne e sangue e precisamos nos preparar, pois todas as nossas ações precisam ter como único objetivo a salvação das almas’.

O Senhor quis nos trazer muito nesse Congresso a Vida de Oração. Marangon colocou que todos os dias, precisamos nos decidir por esse estilo de vida e é no Grupo de Oração, que encontramos forças para ter uma vida repleta de oração; “quanto mais e com mais constância orarmos, mais sentiremos o Senhor caminhando conosco”.

Por algumas vezes durante o final de semana o Senhor nos trouxe palavras sobre as ações da diocese e sobre os frutos delas. Como RCC, precisamos entender que as nossas ações não devem ser feitas para que nós colhamos os frutos. Tudo o que plantamos, não será colhido por nós, mas pelas futuras gerações da Renovação: quais estão sendo as nossas ações?, indagou.

O coordenador arquidiocesano da RCC de Ribeirão Preto

Onde está a chave do nosso coração? Esse foi o questionamento feito por Renato Carvalho, coordenador da RCC Ribeirão Preto. “Eis que estou à porta e bato (Ap 3,20). Deus quer fazer em nós para que levemos adiante o amor d’Ele. Temos vivido a vontade do Senhor? Precisamos permitir que Cristo entre e ceie conosco e nos mostre o que verdadeiramente Ele quer para nossa vida e para os irmãos que conhecemos no Grupo de Oração”, enfatizou. As pessoas precisam enxergar em nós o brilho de quem se escolhe por Jesus, encontrando, no Grupo de Oração frutos de conversão de vida e de vocação. Renato terminou o sábado dizendo que precisamos ter um relacionamento de confiança e intimidade, porque Deus quer fazer a diferença em nossas vidas!

No domingo, o Senhor voltou a nos dizer, através da presidente do Conselho Estadual da RCC São Paulo, Lucimar Maziero, que precisamos cultivar frutos pensando no futuro da Renovação, pois fomos eleitos e escolhidos pelo Senhor.

Lucimar, presidente do Conselho Estadual

Lucimar começou a manhã com pregação sobre a “RCC, o Senso Profético e a Dimensão Mística”. Voltar ao primeiro amor é voltar às raízes proféticas da Renovação e é na vida dos santos que conseguimos encontrar a dimensão mística. Assim como Santa Catarina de Sena, é orando, jejuando, lutando pelas pessoas que amamos e pelo nosso Grupo de Oração que conseguimos abrir os ouvidos ao Senhor, exortou.

Conforme a presidente, para retornar às raízes proféticas é necessário nos lembrar do nosso chamado como Renovação que é o batismo no Espírito Santo. Através do Grupo de Oração, recebemos esse batismo e adentramos na mística da oração.

Ela ressaltou ainda que é por meio da nossa oração que nos tornamos melhores instrumentos de Deus para amar e converter o próximo. Quem ama, se coloca no lugar do outro e perdoa, voltando assim, através do amor, às raízes proféticas. É preciso evangelizar com a ótica do Evangelho, e não na ótica do mundo, servindo na arquidiocese sempre com a graça de Deus. Lucimar nos disse que a Renovação precisa ser remédio para as doenças do nosso tempo que atingem as nossas famílias.

“É tempo de olhar para Deus e para a história da RCC. Temos muitas graças proféticas para esse tempo e devemos nos alegrar”, concluiu Lucimar ao falar sobre o Jubileu de Ouro da RCC Brasil. Por fim, refletindo sobre a passagem de Deuteronômio (capítulo 8, versículos 6 a 20), ouvimos que o Jubileu é tempo de cumprimento de promessas e Deus pede de nós uma conversão sincera para vivermos esse tempo de festa.

A conversão sincera exige a abertura do nosso coração ao Espírito Santo, para que Ele trabalhe em nós, nos moldando à imagem de Deus. No momento de batismo, o próprio Senhor nos mostrou o desejo do Seu coração: a restauração da RCC através das bases proféticas e da retidão dos nossos corações.

Como símbolo da presença de Deus na nossa Arquidiocese e, em preparação para o Jubileu de Ouro da RCC Brasil, Lucimar entregou nas mãos do coordenador arquidiocesano, Renato, a Capelinha do Jubileu, trazendo as celebrações para a arquidiocese.

O Congresso se encerrou com a Santa Missa, presidida pelo diretor espiritual, Padre Carlos Alberto, com a mensagem de que todos somos parte da família de Jesus e é na obediência que entregamos a Ele o nosso coração. Lucimar finalizou sua pregação perguntando aos participantes: “O que você vai dar de presente para Jesus no Jubileu de Ouro da RCC Brasil?”

Texto e fotos: MCS/RCC Arquidiocese de Ribeirão Preto           

Posts Relacionados

Deixe seu Comentário