“Sabemos para onde vamos! Precisamos levar as pessoas à sala de Pentecostes”, exclama Lucimar

Na manhã deste domingo (19/03), o Encontro Estadual de Lideranças, em Aparecida (SP) começou com um animado momento de louvor, com músicas que marcaram a trajetória da Renovação Carismática Católica no Brasil. Com o Salmo 138, o secretário geral do Conselho Estadual da RCC São Paulo, Marcelo Marangon, conduziu a oração da manhã. Nela, Marcelo confirmou que o Senhor quer derramar abundantemente os dons do Espírito Santo sobre todo o estado de São Paulo.

DSC_9537_compactadaNa sequência, a presidente do Conselho Estadual da RCC SP, Lucimar Maziero, fez a segunda e última pregação do encontro. "A RCC é conduzida por uma moção profética. Cada vez que a lemos, ela tem uma graça especial e nova para a nossa vida", afirmou a presidente e, continuou dizendo que, "quando o Senhor nos chamou, Ele também viu graça diante de nós, por isso: Não temas! Não tenha medo de assumir o chamado, a missão que o Senhor tem para você!"

Lucimar partilhou, ainda, uma visualização que teve enquanto orava pelo Encontro Estadual de Lideranças, na qual o Senhor lhe mostrava uma máquina de implementos agrícolas, chamada "subsolador" – que tem como finalidade penetrar o mais profundo da terra, preparando aquele terreno para o plantio – e, o discernimento que o Senhor lhe dava era de que a obra que Ele fez no Encontro, na vida da RCC, não era uma obra de superfície que logo perde o vigor, mas sim uma obra que alcançava as profundezas da vida pessoal, do Grupo de Oração, das Dioceses e do Estado, que se encontravam, muitas vezes, como terras inférteis por causa das lutas constantes, das quedas, dos sofrimentos e do fracasso da oração pessoal. "O Senhor derrama hoje e agora a Sua unção sobre nosso estado. Deus não nos quer na periferia da graça", disse.

A presidente ainda alertou a todos que, diante da obra que Deus esta realizando, o nosso servir a Deus não pode parar na experiência que estávamos vivendo, mas precisa e devia ser cultivado diariamente pelo nosso testemunho e vida de oração, para não cair no ativismo. Ela frisou que “o Batismo no Espírito Santo que recebemos envolve a experiência e o testemunho de uma vida nova e transformada e, isso implica em nosso serviço e missão".

Lucimar lembrou também que Jubileu não é só um tempo de celebrações e festas, mas de reconciliação, de perdão e exortou: "Deus nos deu todos os dons, mas para servirmos aos irmãos, na humildade. O Senhor nos pede uma RCC santa e humilde, Grupos de Oração santos e humildes. E tudo isso se dará, porque o Espírito Santo está conosco e quer colaborar conosco para isso!"

Em seguida, ela recordou duas profecias, a de Monsenhor Jonas Abib no Encontro Nacional de Formação (ENF) 2017 e a que foi dada no retiro entre os dias 17, 18 e 19 de fevereiro de 2017, em Duquesne (EUA), quando se repetia a data daquele final de semana histórico e as lideranças da RCC do mundo estavam reunidas lá. Ambas profecias são referentes aos dons do Espírito Santo. Os dons devem ser pedidos em plenitude, uma vez que, a RCC se encontra na primavera do Espírito por conta da graça jubilar e esses dons são as ferramentas que Ele nos dá, para que nos coloquemos em missão! Tudo isso foi ainda mais confirmado pela profecia dada na oração da manhã que dizia: "Meus filhos, se abandonem no meu amor, nos meus braços. Eu, o Senhor, quero vos derramar o meu Espírito".

Ela reforçou que a partir destes dons, pelo Batismo no Espírito Santo, é que se alcança as virtudes de uma vida de santidade, que vai ser direcionada à missão: "Ficamos tristes por ter cadeiras vazias em nossos Grupos de Oração, mas é porque nós estamos sentados. Temos que nos levantar e sair em missão. Nós sabemos para onde vamos! Precisamos levar as pessoas para a sala de Pentecostes agora!"

DSC_9691_compactadaDe acordo com Lucimar, é uma graça especial e única que os carismáticos brasileiros vivem este ano: 50 anos da RCC no mundo e 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida no Brasil. Mais uma vez, ela exortou que o ano jubilar não é só um tempo de festa, de mexer com as emoções, mas "é tempo do mover do Espírito, é tempo da visitação de Deus! Não é tempo de fazer 'teatros', mas de viver santidade!"

Lembrou ainda, ainda, que Maria, depois de ser visitada por Deus e receber o Espírito Santo, foi apressadamente visitar sua prima Isabel. Para a presidente é essa que deve ser a atitude do Estado de São Paulo: ir com pressa ao encontro dos irmãos, porque há interesse na salvação do outro.

Antes de encerrar a pregação, Lucimar retomou três pontos importantes:

1º As portas que o Espírito Santo está abrindo não se podem fechar! E uma dessas portas é a do Ecumenismo Espiritual;

2º Precisamos viver, neste tempo jubilar, a graça do silêncio, a graça do deserto, de se ter um retiro particular com Deus para escutá-Lo;

3º O Senhor pede a todos que retornem ao jeito simples dos pioneiros, lembrando que essa simplicidade não é desorganização, nem fazer mal feito, mas fazer tudo com pureza e humildade.

Em seguida, as dioceses do estado de São Paulo se reuniram para clamar um novo derramamento do Espírito Santo, tendo-se a certeza de que, mais do que nunca, agora são "terras férteis e preparadas para não deixar a graça de Deus passar em suas realidades, para que a graça de Pentecostes permaneça profundamente, produzindo frutos".

Pe. Alberto Gambarini presidiu a Missa de Encerramento do encontro na sequência.

Posts relacionados

Leave a Comment